sexta-feira, 4 de agosto de 2006
Concurso de fotografia e escrita - 002C
Na minha aldeia

No Outeiro da minha aldeia,
Onde se semeia a minha alma,
Guardo a pacatez da vida aldeã,
Decoro a música do silêncio,
O som do tractor,
O riso das crianças na hora do recreio…

Na minha aldeia ainda há lenços na cabeça,
Vestes negras de luto e a esmolinha pela alma de quem já foi.

Na minha aldeia todas as fés,
Todos os mexericos
E todas as intenções
Conhecem o caminho da Igreja
E dos cafés.

Na minha aldeia o Futuro ainda dorme.
Só a Natureza transpõe a fronteira do tempo.

Na minha aldeia, a natureza não é exígua, só o habitante o é.
Na minha aldeia, não há limite de horizonte na imensidão da paisagem.
Na minha aldeia, o limite só afecta os ideais.

Na minha aldeia, o Homem não escraviza a Terra.
Na minha aldeia, só o Homem é escravo do Homem.

Se abrir com força a palma da minha mão
E esticar bem os meus dedos
Nela colocarei a minha aldeia.

A minha aldeia é tão grande como uma mão estendida, a humildade de quem dá e recebe.

Cá, no cimo do Outeiro, descansam as minhas raízes.
Se um dia me levarem daqui,
É aqui que permaneço.
Na minha aldeia.
Creixomil.


Ref:002C
Votações a partir de 2 de Novembro
Consulte o regulamento aqui
0 Comentário(s)
Links para este post:
Criar uma hiperligação